A Bíblia e o Trabalho

A Bíblia e o Trabalho
O novo livro do Pr. Kleber Maia

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

A Bíblia e a Bebida Alcóolica

A Bíblia e a Bebida Alcoólica
Texto: Ef 5.15-18

Introdução

Que postura o cristão deve tomar diante das bebidas alcoólicas? De um lado, acham-se na Bíblia muitos textos que parecem incentivar a abstinência, mas, por outro lado, há trechos em que Jesus transformou a água em vinho, bebeu vinho etc. Qual é o ensino das Escrituras acerca do uso do álcool?
Em muitas culturas o consumo de bebidas alcoólicas tornou-se comum, incorporado ao dia a dia e visto como algo natural. O vinho entre os judeus é um sinônimo de alegria, presente em festas e comemorações. O vinho referido na Bíblia é o vinho alcoólico como conhecemos hoje? O cristão pode consumi-lo, desde que moderadamente?

Um perigo desde o início

O que vemos na Palavra de Deus é que a bebida alcoólica trouxe maldição desde que foi criada pelo homem. A primeira ocorrência de embriaguez na história da humanidade resultou em uma crise familiar. Noé plantou uma vinha, fez vinho, ficou bêbado dentro de sua tenda e tirou a sua roupa. Seu filho mais novo, Cam, viu o acontecido e anunciou aos outros. Seus irmãos cobriram o pai, sem ver a sua nudez. Quando o pai ficou sóbrio amaldiçoou Cam e sua descendência (Gn 9.20-25).
É certo que a bebida alcoólica leva a pessoa para fazer o que jamais faria se estivesse sóbria. Quando as filhas de Ló desejaram ter filhos do seu próprio pai, elas o embriagaram para tirar-lhe o domínio próprio e tiveram relações sexuais incestuosas com ele (Gn 19.30-36). A geração de Ló com suas filhas foi amaldiçoada (Dt 23.3). É significativo que os primeiros registros de embriaguez na Bíblia tenham resultado em maldição!

Os Perigos do álcool

A bebida alcoólica tira a sensatez e a sabedoria (Pv 20.1; Os 4.11). O sábio mostra-nos que há um perigo no vinho e que ele é enganador. A palavra álcool é de origem árabe e significa “sutil”. Atualmente cerca de 14% da população mundial é alcoólatra. O álcool é uma droga subestimada, pois nossa cultura o vê como parte integrante de uma vida "normal". O alcoolismo geralmente se instala sutilmente (fazendo juz ao seu significado), e a tolerância física induz a um aumento na dose ingerida.
Sob o efeito da bebida alcoólica o homem perde o seu bom senso, a sua vigilância. Absalão, filho do rei Davi, quando decidiu matar o seu meio irmão Amnom, aproveitou um momento em que ele estava bebendo para fazê-lo (2 Sm 13.28). O rei babilônico Belsazar foi morto e seu reino foi tomado numa noite em que ele promoveu um banquete para os seus líderes e beberam à vontade (Dn 5.4,30,31). Obviamente não foi apenas o álcool que causou isto, mas a sua irreverência contra Deus. Entretanto, a bebida alcoólica tirou-lhes a vigilância e permitiu ao inimigo invadir o seu reino.
A morte violenta está diretamente associada ao consumo de bebida alcóolica:
Afogamentos: 64%
Atropelamentos: 53%
Homicídios: 52%
Acidentes de Carro: 51%
Quedas Fatais: 36%
Suicídios: 36%

A bebida trará pobreza ao que a consome regularmente, pois o alcoólatra gasta tudo no seu vício (Pv 23.20,21). Aquele que começa a beber não consegue parar e as conseqüências serão terríveis: ele se machuca e não percebe, fala coisas sem domínio, perde o controle de suas emoções e busca relacionamentos indecentes. Acordará depois com terríveis perturbações, mas isto não o impedirá a tornar a buscar a bebida (Pv 23.29-35).

O Que a Bíblia recomenda

A Bíblia nos orienta a evitarmos a bebedeira (Rm 13.13; 1 Pe 4.3,4) e a companhia dos que bebem (1 Co 5.11). Os textos bíblicos em sua maioria referem-se ao consumo exagerado da bebida, mas algumas pessoas eram proibidas pelas Escrituras a ingerirem qualquer quantidade deste líquido, dada a sua condição de consagração a Deus. Era o caso dos levitas (Lv 10.9-11) e dos nazireus (Nm 6.3; Jz 13.4,7). No Novo Testamento, aos presbíteros (1 Tm 3.3; Tt 1.7) e aos diáconos (1 Tm 3.8) era requisitado a moderação no uso desta bebida.
Os beberrões estão na lista das pessoas que não entrarão no céu (1 Co 6.10; Gl 5.21), dando-nos um claro testemunho que este tipo de comportamento não agrada a Deus, que é Santo.
Entretanto, alguém pode perguntar: E se beber só um copo? Algumas razões são apresentadas nas Escrituras para evitar até mesmo o uso moderado de bebidas alcoólicas:

a) Por causa do testemunho: O cristão deve evitar fazer algo que prejudique a fé do irmão mais fraco (Rm 14.21; 1 Co 8.9-12). Se um novo convertido vê alguém que ele considera mais maduro na fé ingerindo bebida alcoólica, pode ser influenciado a também fazê-lo. Pessoas que consumiram este tipo de bebida antes de se converterem podem ser levadas a pensar que não há problema em continuarem a fazê-lo. Um adolescente que vê seu pai ou algum cristão maduro consumindo bebida alcoólica, ainda que moderadamente pode começar a imitá-lo e perder o controle. O Senhor recomendou explicitamente que não levasse algum pequenino a tropeçar na fé (Mt 18.6). Muitos começam bebendo “socialmente” e se tornam alcoólatras por não se dominarem (Pv 23.31,32; 1 Co 6.12; 2 Pe 2.19).

b) Por causa do domínio próprio: A bebida nos tira o discernimento correto (Pv 31.4,5), de forma que o homem sob seu efeito não consegue exercer juízo correto e pode fazer coisas que de outra forma não faria, inclusive quanto a parar de beber ou exceder-se no consumo destas bebidas. Entre as primeiras conseqüências da bebida são a ausência de inibições, o enfraquecimento do autocontrole, a falta de juízo. O diabo está sempre procurando nos tentar e para enfrentar essas tentações, o filho de Deus deve estar profundamente alerta e sóbrio em todo o tempo.

c) Por causa da glorificação a Deus: O objetivo da vida do cristão não é ser feliz, alegrar-se com a bebida ou participar da vida social, mas glorificar a Deus em tudo o que ele faz (1 Co 10.31). Até mesmo as alegrias, as festas e as comemorações dos cristãos devem ser motivo de glória para Deus.

Jesus bebeu e fez vinho?

Em algumas ocasiões Jesus provavelmente bebeu vinho (Lc 7.33,34; Mt 26.27,29) e num casamento transformou água em vinho (Jo 2.3-10). No entanto, podemos ver que, pelo menos quanto ao vinho usado na celebração da páscoa e instituição da Santa Ceia, ele não era fermentado, mas o suco puro de uvas. Na semana da celebração da páscoa era proibida a fermentação (Ex 12.19; 13.7; 1 Co 5.6-8), processo necessário ao fabrico de pães e vinhos. Só era permitido o consumo sem fermento (asmo).
A palavra “vinho” na Bíblia é usada muitas vezes para o suco de uvas (Mt 26.29; Mc 14.25; Lc 22.18; 5.37,38; Jr 48.33; 40.12) e mesmo o vinho fermentado, segundo estudiosos, tinha uma graduação alcoólica menor do que o que se usa hoje e muitas vezes era diluído em água, além de ser usado como acompanhamento durante as refeições, em pequenas doses (Mt 11.18,19).

Paulo mandou usar vinho?

Quando escreve a Timóteo ele recomendou que usasse o vinho como remédio (1 Tm 5.23) ou como alternativa a uma água impura. Era muito comum na Antiguidade que a água fosse usada sem qualquer tratamento, contaminada por vírus, bactérias e impurezas e causasse muitos problemas estomacais. O vinho era aplicado também em ferimentos como medicamento (Lc 10.34). A recomendação era para tomar “um pouco”, ou seja, em doses medicinais e talvez misturado com água.
A medicina reconhece os benefícios do uso de vinho em quantidade moderada, devida a presença de substâncias antioxidantes e outras que ajudam na prevenção de doenças e melhoria do sistema circulatório. Entretanto, estas substâncias são encontradas na uva e, portanto, no suco não fermentado da mesma, o qual pode ser consumido por todos sem qualquer problema.

Conclusão

Embora não seja possível afirmar, com base na Palavra de Deus, que ingerir qualquer quantidade de álcool por qualquer motivo é sempre pecado, parece claro que o consumo exagerado de bebida alcoólica é totalmente proibido e mesmo as pequenas doses podem levar ao consumo costumeiro e progressivo, além de dar mau testemunho aos novos na fé.
Por isso, o cristão deve evitar juntar-se àqueles que consomem bebidas alcoólicas, notadamente em culturas onde o seu consumo é estimulado, pois estaria avalizando o seu uso, mas deve viver para glorificar a Deus em todo o tempo.

Leitura recomendada

HENDRIKSEN, William. Comentário do Novo Testamento. 1 Timóteo, 2 Timóteo e Tito. São Paulo: Cultura Cristã, 2001.
STAMPS, Donald. Bíblia de Estudo Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 2005.

Carlos Kleber Maia

10 comentários:

Jeda disse...

Parabéns! Louvo a Deus por haver algo tão precioso e embasado sobre a verdade e a vida.
A doutrina bíblica é, e será muito mais ainda (na atual circunstancia do nosso país) nossa bússula para todos os assuntos polêmicos

Ouvimos o programa.

Grande abraço pastores. Jedídja e Brunni

GG disse...

Parabéns adorei esse blog, continue assim fazendo a obra do Senhor. Esse é um assunto muito importânte e que gera muitas dúvidas. Deus te abençoe... Se puder conheça o meu Blog também, aí está o link dele:
www.ggodoy.xpg.com.br

Eduardo Santana disse...

Louvo a Deus PELA SUA VIDA E DE SUA FAMÍLIA. Obrigado por nos proporcionar tão importante fonte de consultas para nosso crescimento espiritual. PARABÉNS e GLÓRIA A DEUS. Eduardo Santana

Luciano de Almeida Gonçalves disse...

A respeito do vinho no novo testamento e que fazia parte dos hábitos de Jesus, vale a pena verificar a Bíblia em inglês, que diferencia "wine" de "vide", indicando o que era e o que não era alcoolico.

Shalom!

pr.renato disse...

parabens vaso de Deus estudo maravilhoso

Berg Lisboa disse...

Pastor, existem algumas citações suas COMPLETAMENTE ERRADAS e que a bíblia não afirma. Com isso o senhor, com todo respeito, não deve afirmar. Talvez tenha sido erro de digitação. Contudo, PARABÉNS pela sua boa intenção presenteada ao leitor.

Destacarei, a seguir, alguns de seus erros.

COMENTÁRIO 01
No tópico “O que a bíblia recomenda” o senhor diz: “A Bíblia nos orienta a evitarmos a bebedeira (Rm 13.13; 1 Pe 4.3,4) e a companhia dos que bebem (1 Co 5.11)”.

ONDE ESTÁ O ERRO
Em 1 Co 5.11 o senhor não encontra nenhuma orientação para que evitemos a companhia dos que BEBEM. E sim companhia dos BEBERRÕES.
Existe uma diferença entre: OS QUE BEBEM e BEBERRÕES.

Conclusão: uma coisa é beber. Outra coisa é beber muito. Ou então, seguindo o seu raciocínio, eu posso dizer, também, que a bíblia nos orienta a evitarmos a companhia de quem comem, pois em Provérbios 23:20 (o livro da sabedoria) diz: “Não estejas entre os BEBERRÕES de vinho, nem entre os COMILÕES de carne”.

BEBEM = Comemorar bebendo, em especial, bebidas alcoólicas;
BEBER = Ingerir líquidos, em especial bebidas alcoólicas;
BEBERRÃO = Aquele que bebe muito;
COMILÕES = Aquele que come muito.

Fonte: dicionário Aurélio

Quem bebe muito, bebe SEM MODERAÇÃO, quem come muito come SEM MODERAÇÃO. O senhor pode dizer: Qual é a pessoa comemora bebendo e bebe pouco? Eu conheço pessoas que são assim. O senhor também deve conhecer.

COMENTÁRIO 02No mesmo parágrafo o senhor diz que “algumas pessoas eram proibidas pelas Escrituras a ingerirem qualquer quantidade deste líquido” (o álcool) e cita os nazireus. ISSO NÃO É VERDADE. Pois se fosse verdade eles também não poderiam comer uvas, sua semente, vinagre e beber bebidas fortes. Não passaria navalha nos cabelos e não se aproximaria do corpo de um morto.

Mas isso foi para os nazireus que fizeram voto de nazireu. O senhor citou Nm 6.3, mas esqueceu de citar Nm 6.20, que diz em seu final: “e depois o nazireu poderá beber vinho”.

Conclusão: Apenas o nazireu, que se tivesse separado, fazendo voto de nazireu tinha que se abster do vinho. Mas isso APENAS durante o nazireado. O nazireado (me corrija se eu estiver errado) é um rito. Acabando-se o rito, acabavam-se as regras de abstenção.

COMENTÁRIO 03
O senhor disse que: “Aquele que começa a beber não consegue parar e as
conseqüências serão terríveis:”.

ISSO NÃO É VERDADE! Se fosse verdade, o mundo estava cheio de pessoas alcoólatras. Eu e o senhor conhecemos pessoas que bebem, não são alcoólatras e não ficam perturbadas quando não ingerem tal bebida, todavia conhecemos pessoas que se tornaram viciados no álcool.


OBS.: Mais uma vez te parabenizo pelo tópico. Aproveitando o ensejo, gostaria que o senhor reconhecesse minhas palavras e publicasse, tendo em vista que minha intenção é ajudar a prestar esclarecimentos a respeito do assunto e não rebater (já rebatendo) algumas de suas palavras.

O site diz que “Este espaço é dedicado à divulgação e discussão das Doutrinas Bíblicas, com o objetivo de contribuir para o crescimento e aperfeiçoamento do corpo de Cristo, para glória do Seu nome.

Att,
Elindemberg Nascimento Lisboa

Anônimo disse...

Olá não sou frequentador de nenhuma igreja (religião), mas procuro ler a Bíblia e acabei aqui.
Muito legal!!

As observações do Berg Lisboa, mostra o bom nível de seus leitores.

PR.EZEQUIEL BARBOSA disse...

Olá a todos, graça e paz, contrariando um pouco as colocações de Berg Lisboa, entendi perfeitamente o tema abordado sem enxergar erros por parte das anotações de Cleber Maia. Em todo momento é rechaçado com base bíblica o cuidado e a distância que devemos ter do álcool, alguns temas nunca serão vistos da maneira correta por todos, pois a própria Bíblia diz que todos os caminhos dos homens dão retos "aos seus olhos", está claro que com a visão de Deus a postagem é para deixar bem claro, " a bebida alcólica não presta", mas haverá quem a defenda, portanto meu ensejo é para que Bergo Lisboa acrescentassse sim algo que contribuisse para o fundamento na mente dos leitores que fujam da bebida, e não ficar fazendo análise morfológica entre palavras e significados fomentando tais erros na postagem, está escrito em todo tempo sejam alvas as vossas vestes e nunca falte o óleo sobre a vossa cabeça, seus comentários em parte estão corretos, para quem quer avaliar minuciosamente as coisas, porém errados do ponto de vista geral, colocando dúvidas sobre a mente daqueles que já tendem o por consequência buscarão palavras de apoio dentro das escrituras para seus desejos, a abstenção do nazireu era realmente só durante seu voto, e nós faremos um voto de servir a Deus por um tempo ou pela vida todo, visto que não sabemos a hora da vinda de Cristo, quem quer seguir Jesus negue a si mesmo, quer beber bebida alcólica negue seu desejo e obedecendo os preceitos de uma vida espiritual abençoada assim por demais os muitos pecados que a vida nos proporciona, bem esclarecedora a postagem, parabéns Kleber Maia.

Ezequiel disse...

Ótima postagem Kleber Maia, bem esclarecedora, mas sempre haverá quem veja diferente mostrando assim um pouco do seu interior e de suas presunções, não somando mas embaralhando as coisas como que se pudessem tirar seus sentidos, mas porém não tendo eficácia para destruir o conhecimento de Deus, o sábio salomão escreveu, em "todo tempo" sejam alvas as vossas vestes e nunca falte o óleo sobre a vossa cabeça, em outras palavra não dá tempo para brincar com o pecado ou pecar, portanto a citação no voto do Nazireu é só um retrato para nós que queremos servir a Deus, o voto deles era um propósito específico, portanto quem quer servir a Deus se abstenha do álcool não por um momento mas em todo tempo, mas por discernimento, sei que o homem busca defender o que anseia ou se mostrar e isso fica notória quando vemos postagens sem nexo real.

Mais uma vez parabéns Kleber Maia

Anônimo disse...

Algumas pessoas não gostam de ouvir a verdade,pois não querem abrir mão dos desejos da carne...JESUS disse aos seus discípulos:-Se alguém quiser vim após mim,NEGUE-SE A SI MESMO,tome sua cruz e siga-me(MT 16:24),Muitas pessoas procuram bases bíblicas para respaldar seus erros que os agradam,mas desconhecem que a BÍBLIA SAGRADA se divide em 5 partes:
1°História;
2°Poesia;
3°Profecia;
4°Evangelhos;
5°Cartas;
O que eu quero disser com isso,tem algumas passagens bíblicas que são histórias passadas da época,JESUS veio para cumprir as profecias ditas pelos profetas.O renomada apóstolo Paulo disse aos coríntios:-
Não sabeis que os injustos não hão de herdar o reino de Deus? Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas,
nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus.(I CORÍNTIOS 6:9 e 10).Fico prestando atenção em algumas situações da vida,por exemplo:
O homem sempre se questiona em relação das coisas de DEUS,se tem muito dinheiro,acha que DEUS NÃO EXISTE;se não tem dinheiro questiona seu criador,chegando a blasfemar;se tem uma esposa,procurar por mais mulheres,e por ai vai....NO CASO DA BEBÊDICE,vem um abençoado Beg Lisboa,e faz uma pesquisa no dicionario Aurelio,e uma pesquisa bíblica aonde é de seu enteresce,e questionar que o PR.Kleber Maia,estar equivocado em suas observancias bíblicas....Olha Lisboa,voce pode questionar as esplicações dos outros,com suas proprias linhas de raciocinio,mas uma coisa EU te falo,PESQUISA O QUE É PECADO,sertamente voce virar com seus comentarios,porque não concorda com as coisas de DEUS...só existe dois caminhos:CÉU ou INFERNO,voce pode ate questionar,mas ambos existem e o apóstolo Paulo,fala de uma pré listação de quem vai para o INFERNO...Pra voce Lisboa e demais criticos,não me importa suas opiniões assim como talves não importa a minha pra voces,mas deixo meu ponto de vista:
-VAI PARA O INFERNO QUEM QUER,JESUS È O CAMINHO A VERDADE E A VIDA....
Se voces não acreditarem nessa afirmação,clara,continuem com suas opiniões,procurando respostas em dicionarios ou livros feitos pelo homem comedor de feijão e arroz como voces...Nome:J.A